Bruno Rocha

Gestão Empresarial

BNDES promete Capital de Giro em até 7 segundos

Publicado às 17/08/17 11h44

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),  lançará no dia 25/08 uma linha de crédito para capital de giro chamado BNDES Giro Pré - Aprovado, onde o empresário saberá em até 7 segundos se foi aprovado. Pelo menos é o que promete o Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Paullo Rabelo de Castro.

Através do Giro Pré Aprovado as micro, pequenas e médias empresas terão acesso ao crédito com base no cadastro que possui junto ao BNDES. A grande vantagem é que as empresas não precisarão que o banco particular ou o público envie uma cópia do cadastro para a instituição. Trata-se de um esforço para desburocratizar os financiamentos a micro e pequenas empresas, facilitando o crédito aos pequenos empresários.

Muitas micro e pequenas empresas não possuem acesso ao sistema bancário e ao crédito, sendo estas responsáveis por grande parte do universo de empresas no Brasil. A fim de dados só o Empresário Individual representa 57,04% das empresas ativas no Brasil, segundo o Empresômetro, daí a importância de incentivar o acesso ao crédito a estes empresários.

No primeiro semestre, segundo dados da Instituição de Fomento (BNDES), as  MPMEs se destacaram no desempenho operacional do Banco  com a ampliação da sua participação no total de empréstimos da instituição. Entre janeiro e junho deste ano, o BNDES desembolsou R$ 33,5 bilhões. Desse total, 40% foram emprestados para MPMEs, empresas com faturamento anual de até R$ 300 milhões. É a maior participação alcançada por esse segmento nas liberações do BNDES no primeiro semestre em seis anos. Foram R$ 13,3 bilhões em quase 173 mil operações com MPMEs na primeira metade de 2017.

Portanto, a proposta é mais do que justa para os microempreendedores, principais geradores de riqueza no comércio brasileiro e de grande importância para a nossa economia.

                                                                                 

 


Mudança no PIS e COFINS poderá aumentar a carga tributária das empresas de serviços

Publicado às 17/07/17 09h56

coins-948603_1920-1078x516_1

Especula-se uma proposta do Governo Federal que expande a cobrança não cumulativa do PIS e da COFINS para muitos setores. A unificação destes dois impostos, segundo a opinião de vários especialistas, é de que impactará no aumento ainda mais da carga tributária e implicará nas perdas de postos de trabalho, conforme apontam estudos do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT).

O PIS e a COFINS são impostos que ajudam a financiar a previdência social e o seguro-desemprego. A proposta prevê o aumento da alíquota de 3,65% para 9,25%. O setor de serviços será o mais afetado, podendo até dobrar esse valor de alíquota. Como a demanda de mão de obra para o setor é muito maior, na medida em que aumenta o imposto onera a produção e acaba atingindo o consumidor final que pagará mais caro.

Hoje, a forma de tributação do PIS e da COFINS ocorre em dois regimes: o cumulativo (para empresas com base no lucro presumido) e o não cumulativo (para empresas com base no lucro real). As micro e pequenas empresas possuem uma forma de tributação diferenciada.

A proposta ainda está em avaliação, entretanto, é bom pensarmos sobre o que pode acontecer ao aumentar a carga tributária, tendo em vista que a situação econômica ao qual o país se encontra, não vem favorecendo o setor de serviços, que é o maior empregador do país.


Vem aí a obrigatoriedade do e-Social! Sua empresa está preparada?

Publicado às 07/07/17 08h48

O eSocial foi instituído pelo Decreto 6022, de 22 de janeiro de 2007, e é regulado pelo Ato Declaratório 5, de 17 de julho de 2013. Seu objetivo principal é informatizar as informações de trabalhadores. Juntamente com o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), cuja finalidade é escriturar digitalmente todas as funções relacionadas ao trabalhador. Todas as obrigações do empregador serão consolidadas em um único sistema eletrônico.

Informações como folha de pagamento, seguridade social e obrigações fiscais, além de outros dados, deverão ser inseridas no sistema, ou seja, o eSocial vai unificar todas as obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias. Isto possibilitará que as informações enviadas para diversos sistemas sejam reduzidas, evitando o envio repetitivo e excessivo de informações às agências envolvidas.

Porém, a dúvida é se as empresas estão preparadas para tais mudanças. O setor de Departamento Pessoal e os escritórios de contabilidade terão que enviar as informações, como data de contratação, alteração salarial ou pedido de licença sobre os trabalhadores logo após o evento. Daí, a necessidade de rever os processos entre tais setores, já que são de grande importância a agilidade e precisão no fluxo de trabalho através deste novo sistema.

Segundo o Portal eSocial, “o cronograma de implantação do eSocial prevê a adoção obrigatória do programa, a partir de 1° de janeiro de 2018, para as empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões anuais. Já, a partir de 1° de julho de 2018, o eSocial torna-se obrigatório para todas as demais empresas do país”. As fases de testes já iniciaram e as empresas de Tecnologia da Informação já podem testar o programa visando facilitar a administração de informações relacionadas aos trabalhadores.

Portanto, é muito importante que as empresas estejam preparadas para tais mudanças, evitando problemas com os Órgãos Federais, além de ganhar em produtividade e redução de processos.

 

 


Amar também gera lucros

Publicado às 12/06/17 15h26

O comércio está otimista para o dia dos namorados, apontam os estudos. A data deve movimentar o comércio que projeta uma arrecadação de R$ 1,65 bilhões. Valor que representa alta em relação ao ano passado segundo a Confederação Nacional de Bens, Serviços e Turismo (CNC).  Esta data tão importante para os apaixonados representa a sexta data mais importante para o varejo brasileiro.

Dentre os segmentos que irão faturar estão o de vestuário, projetando movimentar R$ 564,0 milhões, em seguida o segmento de itens de informática e comunicação com o crescimento de 11,5% de alta comparada ao ano passado. Este aumento para o varejo foi impulsionado pela queda da taxa de juros e a ampliação dos prazos nas operações de crédito segundo o Banco Central.  Além da baixa nas prestações, os valores dos bens e serviços procurados pelo consumidor neste período apontam uma menor inflação em dez anos.  Com isto o setor varejista visa investir em liquidações e promoções atraentes para incentivar o consumo e alavancar as vendas.

O quadro abaixo indica a evolução dos preços dos Bens e Serviços mais consumidos no dia dos namorados.

Em contrapartida mesmo com o aumento das vendas alguns especialistas afirmam que 50% dos valores dos presentes do Dia dos Namorados corresponderão a impostos, levantamento feito pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo). Os produtos com maiores cargas tributárias estão: perfumes importados (79%), champanhe (59,49%), vinho (54,73%), maquiagem (51,41%) e joias (50,44%), que superam os 50%. Para quem gosta de dar flores, o item tem 17,71% de impostos. Outras cargas tributárias que chamam a atenção são do telefone celular (38,9%) e dos óculos de sol (44,18%).

Portanto, na hora de fazer um “galanteio”, é bom não agir com a razão e sim com o coração e a emoção. Como diria o grande Blaise Pascal: “O coração tem razões, que a própria razão desconhece” e o amor também! Feliz Dia dos Namorados a todos!

  


“Nosso futuro depende de quem nasce hoje”

Publicado às 19/05/17 22h20

                                                                

Vamos abordar um assunto que tem sido um dos problemas que vem tirando o sono de muitos brasileiros, a crise previdenciária. Escolhi este tema para prestigiar dois grandes amigos de São Luís, que pediram para discorrer sobre esta questão e que por sinal, rendeu trinta minutos de conversa.

A previdência social está em crise no Brasil e no mundo todo. Um dos fatores que vem agravando tal problema tem a ver com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros. Os tempos mudaram, a qualidade de vida aumentou e a estimativa da idade das pessoas, que era de apenas 62 anos a algum tempo atrás, hoje já passa dos 75 anos. Mas, o que isto tem a ver com previdência social?

É importante sabermos que a população economicamente ativa é a responsável em contribuir com o pagamento dos nossos aposentados. Porém, esta relação entre quem paga e quem recebe, a cada período vem apresentando uma baixa na arrecadação e redução aos cofres previdenciários. Mesmo com a alegação de desvios, corrupção e ainda falhas no sistema, não podemos descartar a possibilidade de que se faltar mão de obra no mercado de trabalho contribuindo com a previdência, a receita não cobrirá a despesa.

Ainda com dados do IBGE, até 2060 a quantidade de brasileiros com 60 anos ou mais será cada vez maior. Com uma população envelhecida e com a redução do contingente de pessoas nos postos de trabalho, o crescimento da economia também será afetado de forma negativa. Hoje a cada 100 pessoas que fazem parte da população economicamente ativa, temos 21 idosos em situação de dependência de aposentadoria. Para 2060, a projeção é de que esse número subirá para 63 aposentados.

Portanto, se por um lado a taxa de natalidade diminui com a preocupação dos gastos em ter filhos, temos que ter a preocupação com o futuro, pois, a quantidade de mão de obra também vai diminuir, comprometendo no quantitativo de trabalhadores contribuindo e pagando impostos. Desta forma para resolvermos esta questão é muito importante que a taxa de natalidade aumente, pois, será o principal fator de receita para a previdência social. Por fim, vale refletirmos não só sobre a reforma da previdência, mas com o aumento da expectativa de vida e de que maneira os gastos com a dependência previdenciária serão configurados.


Empréstimo Consignado é a modalidade de crédito mais procurada pelos brasileiros!

Publicado às 13/05/17 23h50

Uma das linhas de crédito mais baratas ofertadas pelos Bancos, o empréstimo consignado, tem sido a principal modalidade mais buscada pelos brasileiros. Segundo dados da FEBRABAN (Federação Brasileira dos Bancos), a média de concessões no mês de março de 2017, foi de R$ 616 milhões, muito acima em relação ao ano passado, onde o valor chegou à casa de R$ 477,1 milhões.

Este tipo de operação bancária oferece algumas vantagens aos clientes, pois, a forma de desconto da prestação é feita diretamente na folha do pagamento dos beneficiários.  Outros benefícios aos tomadores na hora de captar são: rapidez na concessão, geralmente em até dois dias úteis após aprovação do INSS e menores taxas, pois, as condições de pagamento diminuem o risco comparado a outras formas de empréstimo. 

Porém, mesmo com a facilidade ao contratar este tipo de produto financeiro é muito importante os clientes possuírem alguns cuidados na hora de aderir.  O Banco Central alerta para alguns cuidados que devem ser adotados na hora de fazer qualquer operação bancária. Com isso vale destacar:

  • Nunca fornecer o cartão magnético ou senha do Banco à terceiros.
  • Pesquise as taxas de juros adotadas pelas Instituições Financeiras.
  • É importante saber se a Instituição está autorizada a funcionar pelo Banco Central e no caso para aposentados e pensionista do INSS verificar se a mesma está conveniada junto ao órgão.
  • Não se deve aceitar a intermediação de pessoas sem a certificação profissional emitida pela FEBRABAN e/ou ANEPS.
  • E lembrar que este tipo de operação representa dívidas que poderão comprometer o orçamento familiar em razão do pagamento mensal descontado em folha de pagamento.

Portanto, utilize o crédito de forma consciente e que ofereça vantagens em relação a outros produtos financeiros. Use para pagar uma divida com taxa de juros maiores e que esteja comprometendo seu orçamento, adquirir um bem ou fazer uma reforma que você não possa pagar em função de seus rendimentos mensais e em questões urgentes como aquelas relacionadas à saúde.  Fica a dica!

                                                                                                           


Mercado da Beleza aponta crescimento impulsionado pelo público masculino

Publicado às 06/05/17 17h08

O mercado da beleza, um dos poucos que sofreram com a crise nos últimos anos, com apenas leve queda, aponta crescimento para o ano de 2017. O setor, cujo maior consumidor é o público feminino, tem sido impulsionado também pelo público masculino, que vem deixando o “machismo” de lado e tem procurado os serviços visando o bem-estar e a autoestima.

O Brasil é um dos países com um dos maiores mercados da beleza do mundo, perdendo apenas para EUA e China, apontam pesquisas. Para atender essa nova demanda de consumidores, ter criatividade ao oferecer os serviços pode ser um grande diferencial.  

Algumas profissionais em contato com o blog, afirmam que o público masculino tem sido uma boa surpresa e uma grande fonte de receita aos negócios. Ainda afirmam que os principais serviços procurados são depilação, limpeza de pele e massagem e que quando satisfeitos com os serviços, os clientes são fiéis aos profissionais e aos procedimentos.

Com um mercado superaquecido e com ótimas oportunidades de ganhos, sem dúvida vale investir em todos os tipos de clientes e porque não no público masculino.  Fica a dica para um público que tem deixado de lado alguns tabus e que tem buscado uma aparência saudável e bem-estar.

                                                                              


O que os clientes esperam em uma compra?

Publicado às 01/05/17 17h58

Em meio ao mercado cada vez mais competitivo e com o acesso a uma enorme variedade de produtos e serviços, a grande preocupação para as empresas é buscar alternativas para fidelizar o cliente. O consumidor, além de estar mais informados do que nunca, possui acessos a vários canais de informações que possibilitam sempre melhores alternativas: produtos, serviços e preços. Com estes fatores, surge a pergunta: o que os clientes esperam em uma compra?

É muito importante entender que clientes buscam soluções para seus problemas e a satisfação do comprador, após uma compra, irá depender se o que está sendo ofertado irá atender suas expectativas. Apesar das empresas buscarem o máximo no indice de satisfação, não basta só isso. É de grande relevância entender que, na falta e nas limitações, os níveis de aceitação tendem a cair. 

Então o que fazer? O comportamento do consumidor varia em todos os aspectos e as expectativas também. E isto é influenciado com base em compras anteriores, feedback de amigos e informações fornecidas pelas próprias empresas. O segredo é equalizar as expectativas para o que se pode oferecer. A decisão de um cliente em permanecer fiél à empresa ou de romper a relação dependerá do somatório de muitos pequeno contatos com ela. 

Portanto, medir o grau de satisafação do cliente com frequência é de grande valia para que se possa retê-los. Desta forma, as empresas devem estreitar os canais de comunicação e assim ter os clientes sempre comprando. É com base nestes aspectos, que as organizações serão capazes também de mensurar se as estratégias implementadas estão alcançando os elevados indices de satisfação. Caso contrário, é a hora de reavaliar o planejamento! A dica final é não deixar pra depois, pois o mercado é competitivo. Pense nisso !


< Anterior Próxima >
Página 1 de 1
SOBRE O BLOG

Olá, satisfação imensa recebê-los em meu blog! Sou Administrador, Professor, Consultor na área de gestão e Pós Graduando em Gestão Tributária e Gestão Pública! Aqui iremos compartilhar informações sobre o meio empresarial, tendências, oportunidades e perspectivas do mercado caxiense, do Brasil e do mundo!



© 2013 - 2018. Todos os direitos reservados - Sistema Sinal Verde de Comunicação